NOVA VENEZA

Fundada por Miguel Napoli, um empresário italiano radicado nos Estados Unidos, Nova Veneza cresceu com a chegada de 400 famílias italianas em 1891

Por José Roberto Rohde de Souza 04/08/2020 - hs


Nova Veneza é um importante reduto da cultura italiana na região Encantos do Sul. Seus antigos sobrados de pedra fazem parte dos Roteiros Nacionais da Imigração, projeto do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Destacam-se também o Monumento do Imigrante, localizado no topo do pórtico da cidade, e uma autêntica gôndola veneziana, que você vai encontrar na praça principal.

O Museu do Imigrante Cônego Miguel Glacca, a Igreja Matriz São Marcos, as festas religiosas, gastronômicas e o Carnevale di Venezia são outras atrações de Nova Veneza.

Descubra mais sobre Nova Veneza emturismo.sc.gov.br/cidade/nova-veneza/

Fundada por Miguel Napoli, um empresário italiano radicado nos Estados Unidos, Nova Veneza cresceu com a chegada de 400 famílias italianas em 1891. No ano seguinte vieram mais 500 famílias italianas, oriundas de Bergamo de Veneza e de Belluno.

Os primeiros imigrantes italianos chegaram às terras de Nova Veneza em junho de 1891, trazidos pela empresa norte-americana Angelo Fiorita & Cia. Miguel Napoli, italiano original da Sicília, veio antes, em janeiro, e comandou a abertura de estradas, a demarcação das terras e a construção de uma serraria para receber os colonizadores, num total de 400 famílias.

Entre os primeiros colonizadores destacaram-se Bortolomeu Dal Moro, Bortolo Bortoluzzi, Alfredo Pessi e outros. Bortolomeu Dal Moro foi o primeiro habitante europeu a fixar-se em Nova Veneza, em 1888.

Óleo sobre tela de Pedro Weingärtner, 1893. A cena retrata tropeiros serranos vendendo queijo a uma imigrante italiana.

Em outubro chegaram mais 500 famílias de italianos, oriundas das regiões de Veneza e de Bergamo, e fundaram a colônia. Os colonos construíram casas com pedras encontradas na região e as edificações eram tão sólidas que muitas estão de pé até hoje. Em 1991, durante as comemorações do centenário da colonização, os historiadores Zulmar e Newton Bortolotto, descendentes dos imigrantes, lançaram um livro com a história da cidade.

Com mais de 95% da população descendendo de italianos, Nova Veneza, a primeira colônia italiana oficialmente instalada no Brasil República (1891), é um pedaço da Itália em Santa Catarina.

Economia

Algumas empresas de renome em território catarinense e nacional tem sua sede em Nova Veneza. A Damyller se destaca no setor de confecções. A empresa, que tem sede no distrito de São Bento Baixo, possui mais de 120 lojas espalhadas pelo Brasil. A antiga Agrovêneto, hoje JBS, se destaca no ramo agroindustrial, atuando principalmente no mercado externo. A rede de supermercados Bistek, uma das maiores de Santa Catarina, tem suas origens e mantém sua sede em Nova Veneza.

O distrito de Caravaggio é referência pelo importante parque industrial, com destaque para os setores de metalurgia, mecânico e material elétrico. A Metalúrgica DS Ltda é destaque no setor de produção de discos e tambores de freio, e cubos de roda, produzindo mais de 3500 ton/mês de produtos do gênero e fornecendo para os principais distribuidores de autopeças do mundo.

A economia rural se baseia principalmente nas culturas do arroz e do milho. Também merece destaque a criação de frangos que nos últimos anos também se tornou uma das principais atividades do município.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Museu do Imigrante Cônego Miguel Giacca, inaugurado em 1991.

É uma cidade interiorana, emergente no turismo, com projetos para desenvolver o setor. Nestes projetos incluem-se capacitação para guias turísticos para melhor atender os visitantes. Os turistas que chegam se encantam com as edificações centenárias que são: as casas de pedra da Família Bortolotto, construídas no ano de fundação da colônia e fazem parte do patrimônio histórico do estado. Ainda falando em arquitetura, o casario antigo na rua Nicolau Pederneiras também chama a atenção. Além dos pontos turísticos como: o Monumento dos Imigrantes, O Museu do Imigrante, o pórtico de entrada construído em pedra talhada, a gôndola doada pela cidade de Veneza na Itália, que recebe diariamente diversos visitantes. Já no turismo religioso: o Santuário de Nossa Senhora do Caravaggio que reúne milhares de devotos no mês de maio; a Matriz São Marcos com as festividades do padroeira; a Igreja de São João Batista que confecciona a maior fogueira do Sul do Estado.

Casas de pedra em Nova Veneza, construída por imigrantes no final do século XIX. Foto: Anderson Machado - @turismonovaveneza

gastronomia que se baseia no macarrão rústico, polentapuína (queijo pré-fermentado), queijos coloniaissalamescarnes e galinhas ensopadas, saladas de batatas com ovos, saladas de "radicio", pães e tantos outros pratos que podem ser encontrados em restaurantes e "cafés coloniais" também é destaque.

Intitulada Capital Catarinense da Gastronomia Italiana, pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina, em 17 de dezembro de 2003. Em 14 de junho de 2018, recebeu o título de Capital Nacional da Gastronomia Típica Italiana, lei sancionada pelo Presidente da República, devido o município possuir vários restaurantes e cafés coloniais e que durante os finais de semanas servem aproximadamente 5 mil refeições para os visitantes.

No mês de junho é realizada a Festa da Gastronomia Italiana, evento que movimenta a região Sul do Estado. Mais de 50 mil pessoas passam pela cidade para saborear a gastronomia típica dos colonizadores desta terra.

No interior do município, rios cristalinos e puros ainda correm entre montanhas de matas virgens das encostas da Serra Geral, proporcionando um inigualável e exuberante espetáculo da natureza.

FONTE: https://pt.wikipedia.org/wiki/Nova_Veneza_(Santa_Catarina)